Diretório de Artigos

Desfralde infantil e o papel da escola

Desfralde
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on reddit
Share on telegram
Share on email

No ensino integral, a quantidade de alunos matriculados cresceu 13,9% em 2017

O papel da escola, sem dúvida, é atuar na área da aprendizagem. E essa atuação não se limita à alfabetização ou ao ensino de disciplinas nas mais diversas áreas do conhecimento.

A escola tem a responsabilidade de formar cidadãos para a vida e essa formação passa por diferentes etapas, muitas vezes é acompanhada desde a primeira infância, no período de desfralde.

A escola tem a responsabilidade de formar cidadãos para a vida e essa formação passa por diferentes etapas, muitas vezes é acompanhada desde a primeira infância, no período de desfralde.

O Censo Escolar do Ministério da Educação (MEC) mostra que, em 2017, o número de alunos no ensino básico cresceu, passou de 8,2 milhões para 8,5 milhões.

O fenômeno é relacionado a uma emenda constitucional aprovada em 2009, tornando obrigatória a matrícula de crianças de 4 e 5 anos na educação infantil, e ao aumento da oferta de escolas, que na categoria “creche” cresceu 19,4%.

No Ensino Fundamental, a porcentagem de alunos matriculados na modalidade integral subiu 13,9%, em 2017, em relação a 2016, quando foi registrado um percentual de 9,1%. E segundo o MEC, essa quantidade deve chegar a 13% em 2018.

O levantamento ainda não foi divulgado. Esses números só mostram a importância da Educação Infantil para o desenvolvimento de uma criança, confirmando o que diversas pesquisas já comprovaram.

O papel da escola, sem dúvida, é atuar na área da aprendizagem. E essa atuação não se limita à alfabetização ou ao ensino de disciplinas nas mais diversas áreas do conhecimento. A escola tem a responsabilidade de formar cidadãos para a vida e essa formação passa por diferentes etapas, muitas vezes é acompanhada desde a primeira infância, no período de desfralde.

O Censo Escolar do Ministério da Educação (MEC) mostra que, em 2017, o número de alunos no ensino básico cresceu, passou de 8,2 milhões para 8,5 milhões. O fenômeno é relacionado a uma emenda constitucional aprovada em 2009, tornando obrigatória a matrícula de crianças de 4 e 5 anos na educação infantil, e ao aumento da oferta de escolas, que na categoria “creche” cresceu 19,4%.

No Ensino Fundamental, a porcentagem de alunos matriculados na modalidade integral subiu 13,9%, em 2017, em relação a 2016, quando foi registrado um percentual de 9,1%. E segundo o MEC, essa quantidade deve chegar a 13% em 2018. O levantamento ainda não foi divulgado. Esses números só mostram a importância da Educação Infantil para o desenvolvimento de uma criança, confirmando o que diversas pesquisas já comprovaram.

Nesse processo, segundo a coordenadora pedagógica do Colégio Marista Champagnat, de Ribeirão Preto (SP), Juliana Christina Rezende de Souza, o papel da escola se acentua cada vez mais, pois é nos espaços coletivos que as crianças pequenas se identificam umas com as outras e constroem conhecimentos. “A aprendizagem por meio da interação com os pares é importante para a formação e desenvolvimento das crianças. E quando a questão é ensinar a fazer as necessidades fisiológicas sem precisar de fraldas, esse aprendizado coletivo contribui para a criança se sentir mais confiante e abandonar o acessório com mais segurança”, avalia Juliana.

Durante o desfralde, ter um olhar atento para as particularidades de cada criança é um trabalho desafiador para o educador, no entanto, quando há uma parceria consolidada com a família, a tarefa fica mais fácil e o desenvolvimento integral da criança, certamente, estará garantido. Por isso, é importante que os pais comuniquem à escola a necessidade de realizar o desfralde para analisar em conjunto a melhor forma de lidar com a criança durante o processo.

Segundo o pediatra americano T. Berry Brazelton, estudioso sobre o desenvolvimento infantil, é importante que a escola considere alguns pontos no período do desfralde: aceitar cada criança como ela é; ter um banheiro adaptado às necessidades das crianças; contar com um adulto que não sofre a pressão de precisar desfraldar a criança acompanhando-a no banheiro; garantir à criança que não desfraldou ou que teve retrocessos a tranquilidade de estar no grupo sem ser ridicularizada pelos adultos ou demais crianças; evitar em sala de aula comparações sobre os processos de desfralde e favorecer à criança situações e atividades em que ela possa estar no controle.

Todas essas ações são fundamentais para garantir o protagonismo da criança diante de um processo tão importante como o desfralde. Ela precisa ter condições de conhecer seu próprio corpo e a escola deve ser parceira nesse período de descobertas.

Sobre a Rede Marista de Colégios

O Colégio Marista Champagnat integra a Rede Marista de Colégios (RMC), presente no Distrito Federal, Goiás, Paraná, Santa Catarina e São Paulo com 18 unidades. Nelas, os mais de 25 mil alunos recebem formação integral, composta pela tradição dos valores Maristas e pela excelência acadêmica alinhada ao mercado. Por meio de propostas pedagógicas diferenciadas, crianças e jovens desenvolvem conhecimento, pensamento crítico, autonomia e se tornam mais preparados para viver em uma sociedade em constante transformação. Saiba mais em www.colegiosmaristas.com.br.

, confirmando o que diversas pesquisas já comprovaram.

Nesse processo, segundo a coordenadora pedagógica do Colégio Marista Champagnat, de Ribeirão Preto (SP), Juliana Christina Rezende de Souza, o papel da escola se acentua cada vez mais, pois é nos espaços coletivos que as crianças pequenas se identificam umas com as outras e constroem conhecimentos.

“A aprendizagem por meio da interação com os pares é importante para a formação e desenvolvimento das crianças. E quando a questão é ensinar a fazer as necessidades fisiológicas sem precisar de fraldas, esse aprendizado coletivo contribui para a criança se sentir mais confiante e abandonar o acessório com mais segurança”, avalia Juliana.

Durante o desfralde, ter um olhar atento para as particularidades de cada criança é um trabalho desafiador para o educador, no entanto, quando há uma parceria consolidada com a família, a tarefa fica mais fácil e o desenvolvimento integral da criança, certamente, estará garantido.

Por isso, é importante que os pais comuniquem à escola a necessidade de realizar o desfralde para analisar em conjunto a melhor forma de lidar com a criança durante o processo.

Segundo o pediatra americano T. Berry Brazelton, estudioso sobre o desenvolvimento infantil, é importante que a escola considere alguns pontos no período do desfralde: aceitar cada criança como ela é;

  • ter um banheiro adaptado às necessidades das crianças;
  • contar com um adulto que não sofre a pressão de precisar desfraldar a criança acompanhando-a no banheiro;
  • garantir à criança que não desfraldou ou que teve retrocessos a tranquilidade de estar no grupo sem ser ridicularizada pelos adultos ou demais crianças;
  • evitar em sala de aula comparações sobre os processos de desfralde e favorecer à criança situações e atividades em que ela possa estar no controle.

Todas essas ações são fundamentais para garantir o protagonismo da criança diante de um processo tão importante como o desfralde.

Ela precisa ter condições de conhecer seu próprio corpo e a escola deve ser parceira nesse período de descobertas.

Sobre a Rede Marista de Colégios

O Colégio Marista Champagnat integra a Rede Marista de Colégios (RMC), presente no Distrito Federal, Goiás, Paraná, Santa Catarina e São Paulo com 18 unidades.

Nelas, os mais de 25 mil alunos recebem formação integral, composta pela tradição dos valores Maristas e pela excelência acadêmica alinhada ao mercado.

Por meio de propostas pedagógicas diferenciadas, crianças e jovens desenvolvem conhecimento, pensamento crítico, autonomia e se tornam mais preparados para viver em uma sociedade em constante transformação. Saiba mais em www.colegiosmaristas.com.br.

Você também pode gostar: Amamentação – 15 dicas para amamentar o seu filho
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on reddit
Share on telegram
Share on email
Os pontos de vista expressos neste artigo são de responsabilidade do autor.

Veja também...